Tricotilomania

Definição

A tricotilomania (transtorno de arrancar cabelo) é caracterizada pelo comportamento recorrente de arrancar os próprios cabelos resultando em perda de cabelo e tentativas repetidas de reduzir ou parar de arrancá-los.

O ato de arrancar o cabelo pode vir acompanhado de uma gama de comportamentos ou rituais que envolvem os fios. Assim, os indivíduos podem procurar um tipo particular de pelo para arrancar (p. ex., pelos com uma textura ou cor específica), podem tentar arrancar o pelo de uma forma particular (p. ex., de modo que a raiz saia intacta) ou podem examinar pela visão, por meio do tato ou manipular oralmente o cabelo depois que foi arrancado (p. ex., enrolar o cabelo entre os dedos, puxar o frio entre os dentes, morder o cabelo, deixando-o em pedaços, ou engoli-lo).

 

Características clínicas da Tricotilomania

Assim como no transtorno de escoriação (skin picking), os comportamentos repetitivos focados no corpo que caracterizam essas duas patologias não são desencadeados por obsessões ou preocupações; entretanto, podem ser precedidos ou acompanhados por vários estados emocionais, como sentimentos de ansiedade ou tédio. Eles também podem ser precedidos por uma sensação aumentada de tensão ou podem levar a gratificação, prazer ou sentimento de alívio quando o cabelo é arrancado ou a pele é beliscada.

Indivíduos com tricotilomania ou transtorno de escoriação podem ter graus variados de consciência do comportamento enquanto o praticam, com alguns exibindo atenção mais focada no comportamento (com a tensão precedendo e alívio posterior), e outros, comportamento mais automático (parecendo ocorrer sem consciência completa).

Em geral, o ato de arrancar os cabelos não ocorre na presença de outros indivíduos, exceto membros da família imediata. Alguns têm o impulso de arrancar o cabelo de outros e podem, às vezes, tentar encontrar oportunidades de fazê-lo veladamente. Outros podem arrancar o pelo de animais de estimação, cabelos de bonecas e outros materiais fibrosos (p. ex., de casacos ou tapetes).

Algumas pessoas podem negar o hábito de arrancar os cabelos e, a maioria desses indivíduos com tricotilomania também tem um ou mais comportamentos repetitivos focados no corpo, incluindo beliscar a pele, roer as unhas e morder os lábios.

 

Principal referência bibliográfica:

Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM 5
American Psychiatric Association