Transtornos mentais no esporte

4 - Transtornos mentais no esporteVocê sabia que os transtornos mentais também estão presentes nos esportes? 

A ideia equivocada de atletas serem imunes às condições mentais vem sendo melhor elaborada nos últimos anos. Apesar de serem altamente capacitados no que fazem, não estamos falando de super-heróis infalíveis ou perfeitos.

Ser atleta profissional, não significa, necessariamente, ser saudável. Estudos vêm demonstrando o caráter do esporte de alto rendimento – que pode, muitas vezes, ser um gatilho e precipitar sofrimentos de ordem psicológica nos esportistas.

É importante dizer que ainda são necessárias mais pesquisas na área. Isso inclui elementos científicos para melhor compreendermos a prevalência dos transtornos, por modalidade, por exemplo.

Além das barreiras para os atletas buscarem ajuda (por vergonha, medo, insegurança, exposição), existe outro fator negativo que omite a realidade: a subnotificação de casos no meio esportivo, dificultando a real obtenção de dados.

Ainda assim, podemos observar certas peculiaridades em relação a determinados transtornos mentais no esporte. Confira:⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

DEPRESSÃO

Jovens atletas podem apresentar imaturidade emocional/afetiva, sendo a irritabilidade um sintoma mais proeminente. De tal maneira, essa dificuldade em lidar com as emoções negativas pode estar intimamente ligada a quadros depressivos.

ANSIEDADE

Atletas de alto rendimento lidam continuamente com a pressão para ter boa performance e resultados positivos. Consequentemente, isso poderá ser convertido em alguma forma de ansiedade. Por exemplo: ansiedade de desempenho e ansiedade pré-competição.

TRANSTORNOS ALIMENTARES

Curiosamente, estudos indicam que a prevalência de transtornos alimentares é maior no ambiente esportivo do que entre a população geral. Eles tendem a ser mais recorrente nos esportes onde o corpo está em maior evidência e tem relação direta com a performance. Exemplos são a ginástica artística, hipismo, natação, halterofilismo, crossfit e atletismo.

OVERTRAINING

Overtraining é considerado um tipo de sofrimento ou mesmo transtorno mental no esporte. Trata-se do excesso de treinamento físico, seja em intensidade e/ou frequência, levando a prejuízos marcantes. A atividade física passa a ser nociva, comprometendo o sistema imunológico e aspectos psicológicos do atleta. Mais visto em modalidades individuais como corrida, musculação e crossfit.

TRANSTORNO DE ADAPTAÇÃO

Em síntese, o transtorno de adaptação acomete esportistas que não se elaboram e não se adaptam às mudanças súbitas. Por exemplo, transferências, mudança de cidade ou país, cultura estrangeira ou distanciamento familiar estão entre os motivos desencadeadores.

USO DE SUBSTÂNCIAS E DEPENDÊNCIA QUÍMICA

Extremamente comum no ambiente esportivo. Os períodos de recuperação de lesões e transição para fora dos esportes também são momentos que merecem maior atenção. O atleta pode recorrer às substâncias como um recurso para fugir das frustrações ou relaxar. Por isso, o acompanhamento profissional nesses períodos é essencial. 

DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE

No futebol americano, estima-se que a prevalência de quadros de TDAH seja entre 2 a 3 vezes mais elevada em relação a não-atletas do mesmo sexo e faixa etária da população geral. Ou seja, esse número funciona como um alerta para os profissionais da saúde e atletas.

BIPOLARIDADE E PSICOSES

Casos mais graves de transtorno bipolar e psicoses tendem a ser menos vistos na prática de alto rendimento. Entretanto, são igualmente vistos na prática amadora em relação à prevalência da população geral. 

TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE

Estudos sugerem certos traços (não transtornos!) mais vistos em esportistas de alto rendimento. Dentre eles, são observados extroversão, perfeccionismo, agressividade e obsessão. Assim, os transtornos da personalidade possivelmente mais comuns no esporte são o obsessivo-compulsivo, narcisista e emocionalmente instável.

Não se deve estigmatizar os casos de transtornos mentais no esporte. Pelo contrário: o primordial é a conscientização da importância de profissionais da saúde mental inseridos no meio. Ou seja, psicólogos e psiquiatras do esporte, trabalhando desde a prevenção. Esse é o caminho!

Veja também…

Entendendo a terapia.

Estresse no Esporte: como reconhecer e controlar seus efeitos. 

Projeto científico com a Universidade de Maryland.